Arnica ganha popularidade entre atletas

A Arnica, famosa para o tratamento de dores e pancadas, se popularizou pela sua eficácia e tem sido utilizada por atletas no tratamento de lesões musculares.

“Entre outras substâncias presentes em sua composição, contém lactonas sesquiterpências responsáveis pelas propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e antiequimóticas, ajudando, inclusive, a prevenir e eliminar os hematomas”, o Dr. Francisco José de Freitas, médico homeopata e professor da UNIRIO.

O arqueiro Julio Cesar de Oliveira, atleta paraolímpico e medalhista brasileiro, faz uso da Arnica principalmente após treinos intensos para os campeonatos internacionais. Com a proximidade da Rio 2016, Julio Cesar fez essa escolha para não se afastar dos treinos intensivos.

“Não tenho uma frequência definida, normalmente utilizo a arnica após longos períodos de exercício e, no dia seguinte, não tenho mais dores na musculatura. Estou pronto para praticar novamente”, explica o atleta.

Segundo o Dr. Francisco, a indicação da Arnica para atletas é muito comum. “Em doses homeopática é segura, sem qualquer contraindicação, e não interfere em outros tratamentos. Além disso, a substância não é considerada proibida no exame antidoping, sendo uma ótima opção para atletas profissionais”, explica.

Da mesma família do girassol, a arnica é uma planta que tem efeito analgésico e anti-inflamatório, contribui para alivio de dores, inchaço e redução de hematomas.

Benefícios da arnica

A arnica tem substâncias anti-inflamatórias, portanto, é indicada para auxiliar na cicatrização de feridas, combater hemorragias de ferimentos superficiais, lesões musculares, rompimento de ligamentos, distensão muscular, contusões e até reumatismo.

A planta ainda pode ser usada para clarear manchas roxas, como edemas e hematomas, para repelir insetos e amenizar coceiras causadas por eles, tratar verminoses, irritações de pele, cicatrizar furúnculos e até como desinfetante de ambientes.

Além disso, tratamentos para oleosidade e queda de cabelo também usam a arnica.

Contra indicações

Por ser extremamente tóxica, é importante que antes de ingerir o chá de arnica orientações de um profissional sejam buscadas.

Para a ingestão de chá, a super dosagem pode causar náuseas, vômitos, dores abdominais, tontura, tremores, aumento da pressão arterial, arritmias cardíacas e até o aborto espontâneo.

Para uso externo só é preciso tomar cuidado com o sol. Sempre que fizer compressas de arnica ou passar o gel, tenha certeza de que não há nenhum resquício da planta na pele antes de se expor ao sol, pois há risco de irritação e reação alérgica.

ODebate.com.br

Começa a temporada de alergias respiratórias no Brasil

A nova estação ainda não chegou, mas os primeiros dias de maio já registraram temperaturas amenas em diversas regiões do país. O inverno, época detestada por quem sofre com alergias respiratórias, só começa em 20 de junho, porém, segundo o site Clima Tempo, os próximos dias já terão cara da estação.

Uma frente fria deverá chegar ao país no dia 15, e o frio – grande irritante respiratório – continuará a ser sentido a partir de 18 de maio. É, portanto, hora de tirar aqueles casacos guardados no armário desde o último inverno, provavelmente impregnados de ácaros e poeira – grandes inimigos dos alérgicos.

A proximidade do inverno é mesmo um pesadelo para quem já sofre de alergia o ano todo. Além das baixas temperaturas (que irritam a mucosa respiratória), o período normalmente apresenta baixa quantidade de chuvas e ventos, dificultando a dispersão de poluentes e tornando o ar mais seco e poluído. Segundo o coordenador técnico do projeto social Brasil Sem Alergia, o médico Marcello Bossois, a junção desses fatores facilita o desenvolvimento de inúmeros processos alérgicos. “Estima-se que as alergias respiratórias aumentem 40% durante a estação”, alerta o alergista.

A asma e a rinite são as alergias mais comuns nesta época. No Brasil, cerca de 20 milhões de pessoas convivem de forma persistente com asma, enquanto a rinite afeta aproximadamente 26% das crianças e 30% dos adolescentes. A asma é a quarta maior causa de hospitalização, resultando em cerca de 400 mil internações por ano em todo o país (Datasus, 2001). Anualmente mais de 250 mil pessoas morrem em decorrência da doença ao redor do mundo, com base em dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

E uma alergia pode se tornar algo bastante preocupante, já que a doença aumenta muito as chances de uma infecção secundária. De acordo com dr. Bossois, uma alergia de fundo respiratório mal cuidada pode provocar, por exemplo, uma grave bronquite crônica caso a inflamação da mucosa respiratória e o acúmulo de secreção nas vias respiratórias se mantenham por um longo período. “Aproximadamente 35% da população mundial apresentam alguma forma da doença, então é muito importante que todos estejam atentos aos primeiros sinais de uma alergia respiratória, que poderá se manifestar através de espirros constantes, tosses e falta de ar”, adverte o especialista.

Prevenção de Alergias Respiratórias

Sete dicas para prevenir as alergias respiratórias:

  • Forrar colchões e travesseiros com material impermeável;
  • Umidificar as narinas constantemente com soro fisiológico;
  • Beber bastante água;
  • Evitar locais fechados e com pouca ventilação por longos períodos;
  • Retirar de casa tudo que acumula mofo e poeira (bichos de pelúcia, jornais velhos e cortinas de pano);
  • Usar produtos de limpeza biodegradáveis;
  • Eliminar cigarro, principalmente dentro de casa.

Sobre o Brasil Sem Alergia

Com mais de 150 mil atendimentos gratuitos já realizados – superior à população de Resende (RJ), o Brasil Sem Alergia é um projeto social que oferece diversos procedimentos de prevenção, combate e controle de processos alérgicos e de doenças ligadas ao sistema imunológico. Com três postos na Baixada Fluminense (Duque de Caxias, Xerém e Nova Iguaçu), um na Zona Oeste do Rio (Realengo) e uma quinta unidade na Região dos Lagos (Iguaba Grande), a equipe da ação social oferece gratuitamente testes alérgicos, atendimento médico, orientação multidisciplinar e exame de espirometria (teste de sopro) para o diagnóstico de alergias respiratórias. O projeto está à disposição de toda a população do Rio de Janeiro de segunda a sábado, com agendamento através dos telefones (21) 3939-0239 ou (21) 2652-2175.