Alimentos para nutrição e proteção da pele contra poluição e radiação

5 alimentos para deixar a pele mais resistente e saudável

Você pode achar estranho falar em alimentação para prevenção de danos ambientais causados pelo sol e pela poluição, mas existem pessoas que, por uma predisposição genética, têm uma aceleração do envelhecimento da pele quando expostas aos raios solares (até oito vezes maior que o normal). “Todos nós somos resultados da interação dos nossos genes com fatores ambientais. O nosso estilo de vida, nossa alimentação, nível de atividade física e nível de estresse modulam a nossa suscetibilidade genética. Mas, por exemplo, o genótipo do gene MMP1 está relacionado a uma degradação do colágeno oito vezes maior que o normal após a exposição solar. Existe também o genótipo do gene COL1A1, ligado à menor produção de colágeno. E é possível ver, além disso, a carência de genótipos de genes como SOD2 e CAT, o que compromete a capacidade antioxidante da pele em responder bem contra a ação dos radicais livres”, afirma o geneticista Dr. Marcelo Sady, diretor geral do Laboratório Multigene. “E é por isso que a alimentação não substitui o protetor solar, mas é um reforço muito importante para deixar a pele mais resistente, evitando uma degradação de colágeno mais acentuada, e ajudando na formação dessa proteína de sustentação”, explica a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, professora e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

Os dermatologistas dizem que você deve usar protetor solar o tempo todo, mesmo quando estiver dentro de casa. Portanto, não ignore esse produto no uso diário. “O uso de protetor solar é importante porque previne o aparecimento de câncer de pele e o fotoenvelhecimento da pele. O produto ajuda a combater várias lesões benignas e malignas desencadeadas pelo sol, como: melanoses (manchas nas mãos e no rosto), melasma (mancha da gravidez ou não), leucodermia gutata (manchinhas brancas como sardas brancas nas pernas e braços), lesões pré-malignas (queratose actínica) e as malignas (câncer de pele: carcinoma basocelular ou espinocelular ou melanoma)”, explica a dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Por isso, a médica recomenda o uso diário de um protetor solar com FPS de no mínimo 30.

Para proteção extra contra os raios ultravioleta prejudiciais, você pode adicionar certos alimentos à dieta para aumentar a proteção solar natural e antioxidante da pele. Abaixo, a médica nutróloga destaca alguns alimentos que possuem qualidades naturais de proteção:

Tomates

Um estudo da Universidade de Michigan revelou que o licopeno, um antioxidante encontrado nos tomates, pode ajudar a prevenir queimaduras solares na pele. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiram 40 gramas de pasta de tomate por dia (ou seja, cerca de 16 miligramas de licopeno), estavam mais protegidas contra os raios ultravioleta do que aquelas que não consumiram pasta de tomate. “Os tomates também contêm um pigmento chamado luteína, que reduz os radicais livres nocivos originados de uma exposição solar sem proteção eficiente, minimizando o risco de um estresse oxidante na pele e de lesões causadas pelo sol”, afirma a Dra. Marcella.

Melancia

A melancia também é uma boa fonte de licopeno, um caratenóide que protege a pele contra queimaduras solares e câncer de pele. “Os raios ultravioletas promovem a formação de radicais livres que podem danificar as células da pele. O licopeno atua como um escudo protetor para defender as células da pele desse ataque. Além do mais, a melancia é 90% aquosa, o que ajuda a manter seu corpo e sua pele hidratados”, afirma a médica.

Frutas vermelhas

Com antioxidantes e vitamina C, que podem proteger a pele dos danos do sol, as frutas vermelhas também fornecem nutrientes importantes para a formação das proteínas de sustentação da pele, como colágeno e elastina.

Chocolate Amargo

O cacau é uma excelente fonte de antioxidantes como polifenóis e catequinas, que estudos descobriram ser eficazes na proteção da pele contra queimaduras solares e câncer de pele. “O cacau contém quatro vezes mais polifenóis e catequinas do que o chá. Mas não é necessário exagerar: a dose diária de 25 a 30g, ou uma fileirinha da barra de chocolate amargo, já é suficiente”, diz a médica.

Uvas pretas

Com antioxidantes, as uvas pretas podem ajudar a bloquear os prejudiciais raios UV, prevenir rugas e aumentar a elasticidade da pele. “A fruta também é uma excelente fonte de Vitamina E que mantém a pele hidratada. Mas o que mais chama a atenção é o resveratrol, um polifenol que tem ação anti-inflamatória, protetora do DNA celular e antioxidante”, afirma a médica nutróloga. Além disso, a vitamina C das uvas ajuda a revitalizar as células da pele.

Outras estratégias

Além da alimentação, existem também suplementos que podem ajudar na questão da fotoproteção oral. “Mais recentemente tem se falado muito na questão dos pré e probióticos associados à formulação tópica e via oral com conceito de defesa e imunologia da pele. Não dá para colocar todas as fichas com relação à questão da fotoproteção em produtos de uso tópico. A fotoproteção oral é fundamental e complementar. No entanto, eles não substituem os protetores de uso tópico! Os filtros imunoprotetores via oral vieram para ficar com propriedades de melhora da resistência cutânea e imunológica”, afirma a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. “Eles funcionam como verdadeiros guardiões, quando associados aos protetores locais, para preservar a estrutura e evitar a desnaturação do DNA celular por proteger as células imunológicas da pele e reverter em parte os danos biológicos e inflamatórios causados pela exposição exagerada ao sol. Os mais importantes são o Polipodium Leucotomus, Pycnogenol, Astaxantina, Luteína, Extrato de White e Green Tea, Resveratrol e ácido elágico da Romã, sempre associando ao uso de silício orgânico Exsynutriment para melhora do aspecto da flacidez e ao Bio-Arct para ação antioxidante, imunológica e melhora da energia mitocondrial”, finaliza a Dra. Claudia.

 

FONTES:

*DRA. CLAUDIA MARÇAL: Dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da American Academy Of Dermatology (AAD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Professora e fundadora do Dermacademy MB, plataforma online de ensino a dermatologistas, a médica é speaker Internacional da Lumenis, maior fabricante de equipamentos médicos a laser do mundo; e palestrante da Dermatologic Aesthetic Surgery International League (DASIL). Possui especialização pela AMB e Continuing Medical Education na Harvard Medical School. É proprietária do Espaço Cariz, em Campinas – SP.

*DRA. PAOLA POMERANTZEFF – Dermatologista, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD), tem mais de 10 anos de atuação em Dermatologia Clínica. Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina Santo Amaro, a médica é especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, e participa periodicamente de Congressos, Jornadas e Simpósios nacionais e internacionais. http://www.drapaola.me/

*DRA. MARCELLA GARCEZ: Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo.

*DR. MARCELO SADY: Pós-doutor em genética com foco em genética toxicológica e humana pela UNESP- Botucatu, o Dr. Marcelo Sady possui mais de 20 anos de experiência na área. Speaker, diretor Geral e Consultor Científico da Multigene, empresa especializada em análise genética e exames de genotipagem, o especialista é professor, orientador e palestrante. Autor de diversos artigos e trabalhos científicos publicados em periódicos especializados, o Dr. Marcelo Sady fez parte do Grupo de Pesquisa Toxigenômica e Nutrigenômica da FMB – Botucatu, além de coordenar e ministrar 19 cursos da Multigene nas áreas de genética toxicológica, genômica, biologia molecular, farmacogenômica e nutrigenômica.

Dino – Distribuidor de Notícias