Fatores e hábitos de vida que interferem na imunidade

Fatores e hábitos de vida que interferem na imunidade

Compartilhe

Aprendemos desde pequenos que o nosso sistema imunológico é formado por um conjunto de soldados defensores contra organismos invasores potencialmente maléficos. Mas por que ele é diferente entre uma pessoa e outra?

“Existem alguns fatores genéticos, além da idade, do estilo de vida, de comorbidades e de hábitos de higiene que interferem na nossa capacidade imunológica. E é exatamente por isso que algumas pessoas são mais susceptíveis a complicações que outras quando são infectadas pelo Novo Coronavírus”, explica Luisa Saldanha, farmacêutica e diretora científica da Pharmapele.

De acordo com a farmacêutica, os fatores genéticos levam em consideração alterações já existentes no organismo com relação ao sistema imunológico, enquanto a idade é um fator que também pesa na balança: “Quanto mais jovem, menor o risco de complicações. Pessoas acima de 60 anos, ou que tenham uma condição de saúde subjacente (comorbidades incluindo diabetes e pressão alta), correm o risco de sintomas graves e até a perda de vida”, diz Luisa Saldanha. Com relação ao estilo de vida, interferem na imunidade hábitos como: alimentação desbalanceada, sedentarismo, tabagismo, consumo de álcool e estresse. “Além disso, hábitos de higiene, como lavar as mãos, protege você e as pessoas ao seu redor, restringindo a propagação do coronavírus e outros microrganismos”, diz a farmacêutica.

Como aumentar a imunidade

Existem medidas que podem ser adotadas no cotidiano para melhorar – e muito – a imunidade. A especialista explica abaixo algumas delas:

Nutrição com baixo teor de carboidratos

Reduzir a ingestão de açúcar ajuda seu sistema imunológico, pois remove uma fonte de alimento para as bactérias patogênicas do intestino, que reduzem as colônias saudáveis da nossa microbiota. “Problemas autoimunes e digestivos são sinais reveladores de desequilíbrio intestinal. Idealmente, seu intestino deve ser 85% de bactérias comensais ou probióticos”, diz a farmacêutica.

Lavagem adequada das mãos

Lavar as mãos adequadamente, por 20 segundos com água e sabão é fundamental para minimizar o risco de contágio. Outra opção é o uso de álcool gel 70%.

Não fumar e beber

Os fumantes têm risco aumentado de contrair infecções e sofrer complicações graves por infecções. “As substâncias tóxicas do cigarro dificultam a circulação de sangue e, por consequência, o transporte de nutrientes para diversas áreas do corpo. Não devemos precisar de mais motivos para não fumar, mas um momento como esse destaca ainda mais a importância”, diz.

Com relação à bebida, é comum que, em momentos de estresse, algumas pessoas recorram ao álcool como mecanismo de enfrentamento. “No entanto, estudos mostram uma relação entre o consumo crônico de álcool e o aumento da suscetibilidade a infecções. Alguns desses estudos mostraram um risco aumentado da síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) entre os bebedores, complicação pulmonar responsável pela maior parte das mortes relacionadas ao COVID-19”, diz a farmacêutica.

Durma adequadamente

O sono também pode beneficiar nossa função imunológica. “O nosso organismo precisa desse descanso reparador para melhorar a resposta imune”. Para quem sofre com esse problema, um bom ajudante é a suplementação com melatonina, um antioxidante poderoso que melhora a qualidade do sono.

Exercício físico

Quem se exercita tende a sofrer menos infecções do que aqueles que não. “Pode parecer estranho indicar atividade física nesse momento em que devemos ficar em isolamento social, mas tente manter-se ativo o máximo possível dentro de casa: ande, busque exercícios que possam ser feitos e estimule a circulação”, diz.

Gerenciamento do estresse

Sabemos que esse é um momento de extrema preocupação. Mas o estresse é extremamente maléfico para o organismo como um todo, por isso meditação e controle da respiração são excelentes para controlar o problema.

Outras dicas

De acordo com Luisa, a farmácia de manipulação pode ajudar nesse momento, pois suplementos personalizados vão ajudar a fortalecer o sistema imunológico. “Não podemos garantir que vitaminas, minerais ou outros suplementos ajudam a proteger do COVID-19 a curto prazo. Porém, certos suplementos, sabidamente têm propriedades que estimulam o sistema imunológico. Sabemos que as Vitaminas C, D e o Zinco são importantes, além dos probióticos, que ajudam a reconstituir a microbiota intestinal e também trazem efeitos positivos na resposta imune pela indução de anticorpos e produção de células do sistema imunológico”, diz a farmacêutica.

“Na alimentação, também podemos incluir muitos ingredientes ricos em uma série de nutrientes que ajudam a fortalecer o sistema imunológico, dentre eles o limão, a cúrcuma, a aveia, o gengibre, o açaí, a linhaça, o brócolis, o mel, o amendoim e a soja”, finaliza.

Sobre a PHARMAPELE
A Pharmapele é uma rede de farmácias de manipulação, com 32 anos de experiência em medicamentos personalizados e cosméticos de tratamento. São 80 lojas presentes em todo o Brasil. A Pharmapele é metade ciência, metade beleza e bem-estar por inteiro.