Casos de doenças respiratórios aumentam no outono

O outono é uma das estações mais complicadas para quem sofre com doenças respiratórias. Entre as causas está o fato das pessoas ficarem mais em ambientes fechados, além da baixa umidade do ar que é típico neste época “Rinite, sinusite, e faringite são as doenças respiratórias mais comuns da estação”, diz a médica otorrinolaringologista do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), de Curitiba, Dra. Eliza Mendes.

O índice de incidência das doenças respiratórias nessa época, aumenta em 40%, assim como o número de atendimento nos centros de saúde, segundo a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF). “Elas são desencadeadas por resposta alérgica ou agentes infecciosos”, destaca a Dra Eliza.

As doenças respiratórias, acometem o nariz, seios paranasais, faringe, laringe, brônquios, e pulmões. O tratamento deve ser individualizado e pode variar – com medidas simples, como controle ambiental, uso de medicamentos ou até mesmo cirurgia. “Somente com avaliação médica adequada é possível definir o melhor tratamento”, comenta a médica.

Quando os pacientes não melhoram com os tratamentos habituais, é possível fazer testes específicos para investigar a causa da falha no tratamento. “A imunoterapia, uso de vacina que estimula o sistema imunológico, pode ser muito útil no combate das rinites de difícil controle”, explica a otorrinolaringologista.

Nos casos de sinusites de repetição é necessário fazer investigação detalhada, com exames de tomografia computadorizada de seios paranasais e nasofibroscopia (endoscopia nasal). “É importante também evitar o uso indiscriminado de antibióticos, pois o uso abusivo pode causar resistência bacteriana, dificultando ainda mais o tratamento”, alerta a otorrinolaringologista.

O ácaro é o principal causador da rinite alérgica. A otorrinolaringologista do HNSG, Dra. Eliza Mendes, dá dicas para se livrar deles:

  • Em casa é importante manter os ambientes livres e arejados. Remover cortinas com muitos detalhes, tapetes, ursinhos de pelúcia, são medidas de controle ambiental muito úteis para a diminuição e controle dos ácaros.
  • É importante dar preferência para pisos laminados, sem carpetes.
  • O uso de capa para colchão é aconselhável, pois os ácaros se alimentam da descamação da pele humana. A capa do colchão deve ser lavada semanalmente.
  • As cobertas devem ser expostas ao sol sempre que possível.
  • Deve-se usar pano úmido para a limpeza e remoção do pó.

Com esses cuidados básicos você pode curtir essa época do ano sem alergias respiratórias.

 

Infecção por zika vírus pode causar problemas nos olhos

Os pacientes acometidos com infecção por zika vírus podem sofrer problemas nos olhos, por isso, um exame oftalmológico completo deve realizado, incluindo uma avaliação da retina.

O vírus zika é um flavivírus transmitido por mosquitos, principalmente pelo Aedes aegypti, que também pode transmitir dengue e chikungunya. O zika vírus pode ser encontrado na maior parte do Norte, do Sul e da América Central, incluindo algumas partes dos EUA. A mãe grávida também pode transmitir o vírus para o feto durante a gravidez. A transmissão sexual de vírus também tem sido relatada.

“Estima-se que 80% das pessoas infectadas com o zika vírus não apresentem sintomas. Pacientes sintomáticos geralmente têm um curso leve da doença marcada pelos seguintes sintomas: febre, exantema maculopapular, artralgia e / ou conjuntivite. Estes sintomas podem durar até uma semana. Doenças graves e morte devida ao vírus zika são raras”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion (CRM-SP 13.454), diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

A Síndrome de Guillain-Barré tem sido relatada em doentes com suspeita de infecção por zika vírus também. As complicações mais graves foram confirmadas em crianças que têm a infecção microcefalia e o vírus zika. Outros fatores que contribuem para o surgimento de microcefalia também precisam ser investigados.

Manifestações oculares relacionadas ao vírus

“O curso leve da doença podem incluir conjuntivite não purulenta. No Brasil, os investigadores relataram anormalidades nervosas maculares e óticas em um estudo realizado com 29 crianças com microcefalia devido a uma possível infecção congênita provocada pelo zika vírus. Num estudo anterior, a mesma relação foi constatada em 3 crianças. Os resultados incluíram pigmentação e manchas na mácula, atrofia coriorretiniana macular, hipoplasia do nervo óptico, aumento da razão escavação-disco, coloboma da íris e subluxação do cristalino”, conta Virgílio Centurion.

Papel dos oftalmologistas

Os órgãos de saúde recomendam que todos os profissionais relatem os casos suspeitos de infecção pelo zika vírus ao departamento de saúde dos seus estados para ajudar a reduzir o risco de transmissão local. “Como parte de um atendimento efetivo aos pacientes com possível infecção congênita pelo zika vírus, um exame oftalmológico completo deve realizado, incluindo uma avaliação da retina, seja no hospital ou no prazo de um mês após o parto”, esclarece Centurion.

Portal Nacional de Seguros
Segs.com.br

Hidratação é o segredo para pele e cabelo perfeitos

A estação mais desejada pelos brasileiros está chegando ao fim, restando apenas o bronzeado perfeito e cabelos ressecados. Mas, afinal, você sabe como manter o corpo dourado e recuperar os fios após o excesso de sol, calor, água salgada e cloro? A resposta é cuidar de sua hidratação.

Segundo a dermatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Márcia Grieco, para o “bronze” se manter durante as demais estações do ano e para voltar a ter os cabelos sedosos, nada melhor que a hidratação.

“Hidratantes à base de uréia e lactato de amônio ajudam a manter a cor. O importante é sempre comprar os produtos adequados para o seu tipo de pele, ou seja, géis e loções fluídas para peles oleosas, cremes para peles normais e cremes mais oleosos para peles secas.”

Outra dica da especialista é o consumo de alimentos ricos em betacaroteno, como laranja, cenoura e mamão, que auxiliam na produção de melanina. É importante também evitar o uso de buchas ou esponjas durante o banho, pois agridem a pele e removem o manto lipídico, que protege a pele contra a desidratação e infecção.

Para os cabelos que passam por um longo período de exposição excessiva ao calor e sol, além dos produtos químicos, a especialista recomenda as máscaras de hidratação à base de ceramidas para recuperar o brilho ou leave-in após a lavagem, para ajudar a fechar as cutículas e proteger os fios.

“Para um brilho extra, indico o uso de silicones, mousses hidratantes e óleos reparadores”, aconselha a médica. Alimentação saudável, com legumes, frutas e proteínas, ainda é uma ótima aliada para manter o brilho dos fios.

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.400 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, conquistado pelo quinto ano consecutivo em 2015.

Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos
www.hpev.com.br

Beber água é chave para a longevidade

Um caminho simples para viver muito e com qualidade – longevidade – é conseguido quase sem esforço (dizemos quase porque passamos 2015 apertados): bebendo muita água e usando a água a nosso favor. Os gerontólogos da consultoria Velhice com Carinho alertam que brasileiros tem substituído em muito a água por outros líquidos, numa conduta que pode trazer problemas tanto para idosos quanto para quem é mais jovem.

“Beber água é muito bom, e só não é indicado para quem tem problemas renais; todas as outras pessoas, em qualquer idade, devem usar e abusar deste ótimo recurso”, afirma Suyen Miranda, gerontóloga responsável e que dá as dicas de como aproveitar bem este recurso tanto para a terceira idade quanto em todos os momentos:

Para quem quer emagrecer, a dica é beber água quando sentir a sensação de fome. Muitas vezes o que parece ser aquela fome intensa é a necessidade orgânica de água, que gera o mesmo impulso cerebral da fome. Não fique preocupado pensando que irá morrer de desnutrição por beber água – se após o primeiro copo a sensação voltar, é fome e trate de se alimentar direito! Caso contrário, era a sede se disfarçando de fome, algo muito comum.

Quanto beber no dia a dia?
Se um litro for muito para você, comece bebendo 500ml, de forma limpa (sem ser suco ou adoçada, ou como chá) e acrescente sucos, chás e líquidos na alimentação.

Ao começar a beber mais água seu organismo irá sinalizar o quanto gosta de receber a cada dia; para quem é idoso, muitas vezes este alarme natural não funciona tão bem, então fica a referência de um litro e meio ao menos diariamente. Se pedir mais, excelente, beba mais água.

Outra dica é ver a cor da urina: quanto mais amarelo clara ela for, melhor – sinal que a ingestão de água está equilibrada. Urina muito amarela ou transparente aponta que há falta ou excesso.

Beber água e dormir, isso dá certo?
Para muita gente um impeditivo em beber água é ter que acordar de madrugada para ir ao banheiro. Se isso for o seu bloqueio para beber água, programe sua ingestão de líquidos para até as 20h considerando que vá dormir às 23h.

Procure tomar água durante o dia para que o organismo se hidrate nos momentos de maior calor, e com isso estar bem durante a noite, podendo até ter um sono sem interrupções.

velhicecomcarinho.blogspot.com.br

Check up antes de começar a praticar exercícios em 2016

Começo de ano é uma época de promessas. E entre as mais populares está a antológica “este ano, chega de preguiça: vou começar a praticar exercícios”. OK, essa é uma excelente ideia, pois o esporte é fundamental para uma vida saudável, seja ele qual for. Mas sair do sedentarismo direto para uma rotina de exercícios físicos intensos pode ter feito inverso, com até risco de morte. Por isso, fazer um check up antes de começar a praticar exercícios é uma ação fundamental para sua saúde.

“A atividade física regular muda a vida de uma pessoa para melhor. A tendência é que tudo melhore: sono, alimentação, disposição, capacidade de atenção. A questão é que cada pessoa tem o seu limite, especialmente quando falamos do coração. Então um check up destinado a sua capacidade de se exercitar tem de ser feito obrigatoriamente antes do início das atividades”, explica a Dra. Tatiana Hirakawa, diretora clínica e cardiologista do dr.consulta.

A especialista acrescenta que o foco do check-up fitness é o coração. “Avaliamos todo o estado de saúde do paciente, mas o coração precisa ser especialmente avaliado já que o risco de uma morte súbita, infarto ou derrame são os eventos mais temidos quando falamos em exercícios físicos”, revela.

Ainda segundo a cardiologista, prevenir é a melhor forma de cuidar a saúde. “Se por acaso a pessoa começa uma rotina de esporte e tem algum problema, o tratamento com certeza será bem mais longo e custoso – inclusive do ponto de vista financeiro – do que se o paciente tivesse investido em um check up e estabelecido uma rotina de exercícios alinhada aos seus limites físicos”, finaliza.

Check up por perfil

Essencial – checa hipertensão, diabetes, tireoide – homens e mulheres de qualquer idade.
Plus cardio – essencial + avaliação cardiológica mais profunda.
Plus homem – essencial + diagnóstico de câncer de próstata para homens com mais de 50 anos.
Plus mulher vitalidade – essencial + diagnóstico de câncer de colo de útero e mama – para mulheres com menos de 40 anos.
Plus mulher experiência – essencial + diagnóstico de câncer de colo de útero e mama para mulheres com 40 anos ou mais.
Fitness – para quem quer iniciar rotina de exercícios físicos.
Kids – anemia, odontologia, oftalmologia – indicado para crianças.

O dr.consulta é uma rede de clínicas médicas que oferece consultas e exames de forma ágil, atenciosa e acessível para famílias sem acesso ao sistema de saúde. Médicos talentosos e bem equipados, concepção de serviços centrada no paciente e o uso inteligente de tecnologia contribuem para uma experiência de atendimento respeitosa e resolutiva. Assim o paciente economiza tempo e recursos, e consequentemente desfruta de uma vida mais saudável e feliz. Fundada em 2011, a rede tem 10 unidades em operação (Sacomã, Jabaquara, São Bernardo do Campo, Nove de Julho, Tatuapé, Diadema, Santo André, Tucuruvi, República e Teodoro Sampaio), nas quais é possível agendar com rapidez exames de laboratório, exames de imagem e consultas em mais de 30 áreas médicas, como ginecologia, oftalmologia, cardiologia, dermatologia e otorrinolaringologia. O dr.consulta é uma prova de que serviços médicos de qualidade podem estar ao alcance de todos, desafiando a ideia de que o acesso à saúde qualificada é algo caro ou inatingível.

Pelo pioneirismo e qualidade de atendimento, o dr. consulta vem sendo agraciado por uma série de instituições. A rede de clínicas é parte do Projeto Visão de Sucesso – iniciativa da Endeavor que fomenta o empreendedorismo de impacto social – recebeu o prêmio Trip Transformadores 2015 pelo trabalho de promover o avanço coletivo; e foi reconhecido na categoria Empreendedorismo da premiação “Excelência da Saúde” da revista Healthcare Management, também este ano. Completam a lista de reconhecimento da rede, o Prêmio Lide de Empreendedorismo 2015 e Men of the Year da Revista GQ Brasil.

As unidades do dr.consulta estão capacitadas a realizar check up para pacientes de todos os perfis, inclusive crianças (confira lista completa abaixo). Atualmente, o dr.consulta está no Sacomã, Jabaquara, São Bernardo do Campo, Nove de Julho, Tatuapé, Diadema, Santo André, Tucuruvi, República e Teodoro Sampaio. Informações e agendamentos podem ser feitos por meio do http://www.drconsulta.com/ ou pelo telefone (11) 2065-1329.

O que você deve saber sobre AVC

Os números são impressionantes: de acordo com a Organização Mundial de AVC (WSO, na sigla em inglês), uma a cada seis pessoas no mundo terá um episódio de acidente vascular cerebral (AVC) ao longo da vida. No Brasil, os dados são ainda mais alarmantes: em média, a cada cinco minutos um brasileiro morre por AVC, totalizando mais de 100 mil mortes por ano.
Mesmo quando não provoca a morte, o acidente vascular cerebral pode ser devastador na vida da pessoa atingida. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) o AVC é a maior causa de incapacidade em todo o mundo. Entre as sequelas que podem ocorrer após um episódio de AVC estão a perda de força de membros, alterações visuais, de equilíbrio, da fala, declínio da atividade cognitiva, dor e até mesmo depressão.
O acidente vascular cerebral ocorre quando um vaso sanguíneo que leva sangue e nutrientes para o cérebro para de funcionar, seja por obstrução (acidente vascular cerebral isquêmico) ou por rotura causando hemorragia (acidente vascular cerebral hemorrágico). Quando isso acontece, uma parte do cérebro não recebe mais o sangue e oxigênio que necessita e células cerebrais começa a morrer. A extensão e localização do dano cerebral determina a gravidade do AVC, que pode variar de leve a fulminante.
Qualquer pessoa está suscetível a um episódio de acidente vascular cerebral, independente de idade ou sexo. Poucas pessoas sabem mas mesmo crianças podem sofrer um episódio de AVC. Os fatores de risco são diferentes entre crianças e adultos, mas os sinais de alerta são praticamente os mesmos.
“Poucas pessoas reconhecem os sintomas de um AVC, que incluem dormência, fraqueza ou paralisia de um lado do corpo, fala arrastada ou dificuldade em articular e compreender palavras, visão subitamente enublada ou perda de visão, instabilidade ou desequilíbrio e dor de cabeça”, alerta o neurologista Christian Naurath, médico neurologista e intensivista do Hospital Barra D’Or.
A partir do início dos sintomas, o tempo para tratamento do AVC é precioso. Milhões de células cerebrais morrem a cada minuto em um AVC não tratado. Por isso, quanto mais rápido for o atendimento prestado à vítima, maior a probabilidade de se evitar um AVC potencialmente fatal, bem como a de diminuir o risco de sequelas. “Quanto mais rápido a pessoa acometida chegar ao hospital maiores as chances do tratamento ser bem sucedido”, ressalta Naurath.
A rapidez no atendimento é o fator que determina a sobrevivência e a qualidade de vida após um episódio de acidente vascular cerebral. Por isso, conhecer seus fatores de risco de ter um AVC e saber reconhecer os sintomas é a principal arma para o combate a este problema.
O que você deve saber sobre AVC
  • Qualquer pessoa pode ter um episódio de AVC, independente de idade ou sexo;
  • É possível reduzir o risco de sofrer um episódio de AVC por meio do autoconhecimento de seus fatores de risco e da manutenção de hábitos de vida saudáveis;
  • É importante reconhecer os sinais de um possível AVC para se ajudar e ajudar a familiares;
  • Tempo é precioso! Quanto mais rápido o paciente for atendido, menores os riscos de um episódio de AVC.
Principais Fatores de risco para um AVC
  • Pressão alta
  • Diabetes
  • Colesterol alto
  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Uso de drogas
  • Arritmias e outras doenças cardíacas
Como reduzir o risco de um AVC
  • Conheça os seus próprios fatores de risco e trate-os
  • Seja ativo e faça atividade física regularmente
  • Mantenha uma dieta saudável rica em frutas, vegetais e fibras e com pouco sal, para se manter saudável e com pressão arterial baixa
  • Limite o consumo de álcool
  • Evite o hábito de fumar. Se você é fumante, procure ajuda e pare imediatamente
  • Aprenda a reconhecer os sinais de alerta do AVC.
Como reconhecer um AVC
A Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares orienta que o teste abaixo é uma maneira fácil de lembrar e reconhecer os primeiros sinais do AVC:
  • Sorriso – Peça para a pessoa sorrir e veja se sua boca está torta.
  • Abraço – Veja se a pessoa consegue levantar os dois braços.
  • Música – Peça para a pessoa falar e veja se a fala está arrastada ou complicada.
  • Urgente – Se você identificar qualquer um destes sinais, vá com urgência para um hospital preparado para receber casos de AVC e/ ou ligue imediatamente para o SAMU (192).

Custo do plano de saúde para funcionário cresce 14,8%

As empresas tiveram um aumento médio de 14,8% nos custos de plano de saúde para funcionário em 2015. O custo médio per capta do benefício saltou de R$ 196,17, em 2014, para R$ 225, 23 este ano. Com o avanço, os gastos com planos de saúde passaram a representar o equivalente a 11,54% dos gastos das empresas com a folha de pagamentos. Em 2012, o índice representava o equivalente a 10,38% da folha das organizações pesquisadas.
Os dados constam de estudo realizado pela Mercer Marsh Benefícios™, divisão de consultoria e gestão de benefícios da Marsh, líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos. O estudo ouviu 513 companhias, de 31 segmento da economia. Cerca de 61% da amostra foi composta por empresas com mais de R$ 100 milhões de faturamento ao ano, sendo 69% multinacionais e 31% de empresas de capital nacional. O conjunto da amostra abriga 1,2 milhão de colaboradores e 2 milhões de segurados (incluindo dependentes).
De acordo com o levantamento, 51% das empresas já adotam o modelo de compartilhamento do financiamento dos planos de saúde com os colaboradores. Eles subsidiam, em média, 78% dos custos fixos dos planos.
A pesquisa mostra também que, embora os planos de saúde sejam fontes de forte pressão de custos, poucas empresas adotam programas de qualidade de vida com foco na prevenção e manutenção da saúde dos funcionários, com consequente redução da utilização dos planos. Segundo os dados da Mercer Marsh Benefícios™, 32% adotam algum programa de qualidade de vida e só 20% mantem programas realmente estruturados em torno do tema.
Deste universo de 20%, que adotam programas estruturados, 85% patrocinam programas de vacinação para seus funcionários, 63% mantém programas de atividades físicas para os colaboradores, 62% adotam programas de nutrição saudável, 53% adotam iniciativas para cuidar da saúde emocional dos colaboradores e 34% adotam alguma iniciativa de prevenção de DST (doenças sexualmente transmissíveis).
Ainda no universo de 20% das empresas que adotam programas estruturados de qualidade de vida, 66% estão trabalhando para diminuir ou eliminar riscos cuidando da ergonomia no ambiente de trabalho, 54% patrocinam checkups dos funcionários, 47% realizam mapeamentos de perfil de saúde dos colaboradores, 44% adotam mapeamentos para saúde bucal, 35% mantem programas para ajudar os colaboradores a abandonar o consumo do cigarro e 26% mantém programas de ortopedia.
Prevenção e Qualidade de Vida
O combate aos custos dos planos de saúde também está motivando este universo restrito de companhias a adotarem programas de gerenciamento de doenças crônicas, que já são aplicados em 47% das empresas pesquisadas. Programas de monitoramento de internações dos beneficiários já são praticados em 37% das organizações e 29% já adotam o recurso da segunda opinião médica para o tratamento de funcionários em casos mais complexos.
“A estruturação de programas de qualidade de vida é fundamental para controlar os custos dos planos de saúde no futuro, mas ainda uma parcela pequena das empresas está fazendo algo neste sentido. 80% das companhias não tem nenhum programa estruturado na área e estão mais expostas ao crescimento dos gastos com saúde e os impactos negativos deste benefício em seus resultados”, diz Mariana Dias, líder da área de consultoria e gestão atuarial da Mercer Marsh Benefícios e uma das coordenadoras do levantamento.
Segundo o estudo, 45% das empresas entrevistadas pretendem fazer alguma mudança em seus programas de saúde em até um ano e outras 13% farão mudanças nos próximos dois anos. Entre as que planejam fazer alterações, 26% declaram que o farão em busca de redução de custos.
A troca de fornecedores também está no radar das empresas. Cerca de 40% das empresas ouvidas para o levantamento, dizem que irão fazer mudança de fornecedor (planos de saúde, planos odontológicos, etc) em até 1 ano. Outros 9% da amostra farão mudanças em até dois anos. Em 60% dos casos, a mudança terá como objetivo a redução de custos junto aos prestadores.
A Mercer Marsh Benefícios™ é a divisão de benefícios da Marsh, líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos. A Marsh trabalha em conjunto com seus clientes para definir, desenhar e distribuir soluções inovadoras e específicas para cada uma das indústrias, auxiliando-as a gerenciar os seus riscos de maneira efetiva.

Reumatismo na infância e juventude representa 20% dos casos

Nesta sexta-feira, 30, Dia Nacional de Luta Contra o Reumatismo, a reumatopediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Maria Teresa Terreri, faz um alerta. Cerca de 20% das pessoas diagnosticadas com esse conjunto de doenças, antes tido como um mal advindo com a idade, possuem até 18 anos.

“O reumatismo na infância e juventude ainda pode ser muitas vezes confundido com dores de crescimento. É preciso que pais e médicos estejam atentos para encaminhar este paciente a um especialista o quanto antes”, argumenta Maria Teresa. “Hoje, não podemos mais aceitar que este tipo de doenças incapacite crianças e jovens, causando deformidades em mãos e pés ou até mesmo atingindo órgãos vitais, como coração, pulmão, rins, cérebro, entre outros”, complementa.

A médica ainda explica que, normalmente, há dois tipos mais comuns de doenças reumáticas que afetam crianças e jovens: a Febre Reumática e a Artrite Idiopática Juvenil. A primeira é desencadeada por um fator externo, ou seja, é uma inflamação decorrente de alguma bactéria que causou uma infecção anterior, tornando-se uma doença autoimune. Já a segunda não tem causa bacteriana, mas se caracteriza por inflamação que afeta as juntas.

Entre os sintomas mais comuns das doenças reumáticas estão dor, inchaço nas articulações e limitação motora. Ainda de acordo com a médica, é importante que o diagnóstico seja feito com exatidão e precocemente, pois isso ajudará no prognóstico do paciente.

Não há cura para o reumatismo, porém, uma vez diagnosticado, o tratamento deve ser contínuo, possibilitando que os pacientes levem uma vida comum com a estabilização do quadro. A doença pode ser desencadeada por vários fatores, entre eles influência hormonal (nas meninas, a partir da primeira menstruação, por exemplo), problemas emocionais (alguma grande perda) ou, ainda, fatores genéticos.

Principais Sintomas em crianças e adolescentes:

  • Febre que não se descobre o foco ou sem causa aparente;
  • Inflamação e dor nas articulações (alta temperatura na região e inchaço);
  • Problemas simultâneos em vários órgãos;
  • Hipersensibilidade ao sol, sequência de erupções ou outras alterações na pele;
  • Alterações sanguíneas (baixo nível de leucócitos e plaquetas) ou proteína na urina;
  • Fraqueza muscular.

 

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.400 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano.
www.hpev.com.br

Perder ou manter o peso hoje é mais difícil do que há 30 anos

Um estudo divulgado recentemente pela revista Atlantic traz um pouco de luz àquela sensação que muita gente reclama de que, na época dos pais, todo mundo comia de tudo, pouca gente frequentava a academia e, mesmo assim, não se via tanta gente com sobrepeso.

Sim, há uma razão científica para isso. Segundo a pesquisa, feita por pesquisadores da Universidade de York, em Toronto, é mais difícil hoje para um adulto manter o peso do que era 20 ou 30 anos atrás, mesmo os que ingerem a mesma quantidade de calorias e se exercitam.

Os autores do estudo examinaram os dados da dieta de 36.400 americanos entre 1971 e 2008, além da atividade física de 14.419 pessoas entre 1988 e 2006.

Conclusão: uma pessoa em 2006 que consumia a mesma quantidade de calorias e nutrientes (como proteína e gordura) e praticava exercícios com a mesma frequência que alguém em 1988 tinha, assim mesmo, um IMC (índice de massa corpórea) até 2,3 pontos maior.

Em outras palavras, os adultos de hoje são 10% mais pesados que os dos anos 80, mesmo comendo a mesma quantidade e praticando exercícios.

A pesquisa aponta algumas razões pelas quais era mais fácil ser magro há 30 anos do que hoje:

1. Substâncias químicas

As pessoas estão mais expostas a substâncias químicas que funcionam como indutores do ganho de peso. Pesticidas, conservantes e outras substâncias presentes em alimentos industrializados estão alterando nossos processos hormonais e aprimorando a maneira que nossos corpos têm de manter o ganho de peso;

2. Medicamentos prescritos

O uso de medicamentos de uso controlado cresceu em níveis alarmantes desde os anos 70 e 80. Prozac, um dos antidepressivos mais populares nos EUA, surgiu em 1988. Esse tipo de droga são as mais prescritas nos Estados Unidos e também no Brasil e estão diretamente ligadas ao ganho de peso;

3. Hormônios e antibióticos

Outro motivo apontado pelos autores do estudo é que o microbioma dos americanos pode estar mudando desde os anos 80.

Os adultos de hoje consomem mais carne do que seus pais e avós e muitos produtos animais são tratados com hormônios e antibióticos para acelerar o desenvolvimento e garantir a produção em larga escala.

São essas substâncias que podem estar mudando as bactérias que habitam nosso intestino e nos tornando mais propensos à obesidade.

Fonte: Marie Claire

Saúde dos olhos na terceira idade requer cuidados extras

No primeiro dia de outubro é lembrado o Dia do Idoso. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 28 milhões de brasileiros já estão nesta faixa etária da vida. A expectativa é que este número aumente quatro vezes até 2060. Dr. João Luiz Pacini, oftalmologista do Visão Institutos Oftalmológicos, em Brasília, alerta que a saúde dos olhos na terceira idade merece um cuidado maior.
“Isto porque algumas doenças oculares atingem os idosos mais frequentemente. Entre as principais, estão o glaucoma e a catarata, as duas maiores causas de cegueira no mundo. O glaucoma é uma patologia silenciosa causada pelo aumento da pressão intraocular”, esclarece o médico. “Já a catarata, é causada pela opacificação do cristalino. É importante lembrar que este processo é natural do envelhecimento do olho, por isso, todos sofrerão de catarata ao atingirem certa idade, porém, há tratamentos cirúrgicos que corrigem este problema e evitam as complicações causadas por ele. O glaucoma, quando diagnosticado precocemente, é tratado com colírios para baixar a pressão ocular e um bom acompanhamento pelo médico oftalmologista é crucial para preservar a visão sem deixar sequelas”, acrescenta.
Além destas doenças, há também a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), uma enfermidade que pode atingir as pessoas com mais de 60 anos. “O surgimento deste problema está relacionado ao envelhecimento de algumas partes do olho, em especial, da área central da retina (mácula). A DMRI pode se manifestar de forma seca ou hemorrágica. Em geral, a primeira forma evolui de maneira lenta, enquanto a segunda se manifesta mais rapidamente e pode ter consequências mais graves”,
Por fim, Dr. João Pacini ressalta que idosos diabéticos precisam ter atenção redobrada com a saúde dos olhos na terceira idade. “Este grupo tem mais risco de desenvolver doenças na retina, que podem levar a perda da visão. Por isso, é recomendado que eles façam exames periódicos e compareçam ao oftalmologista com frequência”, conclui o oftalmologista.
Com mais de 20 anos no mercado brasiliense, o Visão Institutos Oftalmológicos Associados é um grupo de empresas que atua na área da saúde no setor de prestação de serviços especializados em oftalmologia e atende mais de 60 convênios. Dois dos maiores empreendimentos em oftalmologia do DF se uniram para oferecer atendimento de referência internacional com tecnologia e equipamentos de última geração.
http://www.visaoinstitutos.com.br

Curativo Membracel acelera cicatrização em feridas de pele

Lesões e feridas de pele podem causar desconforto, dor, vergonha, impossibilitar a movimentação e até evoluir para casos mais graves de infecção. Por isso, o cuidado com a pele deve ser focado em acelerar a regeneração da ferida. Um curativo especial, desenvolvido por uma empresa paranaense, a Membracel, vem sendo usado com sucesso para diversas indicações como queimaduras, úlceras de pele, escoriações e síndromes como a epidermólise bolhosa.
Produzido à base de celulose por um processo de biotecnologia, chega ao consumidor na forma de uma membrana muito fina, que deve ser colocada em cima da lesão, integrando-se à mesma. Por possuir poros, a membrana permite a drenagem do exsudato (líquido das feridas), as trocas gasosas e a passagem de medicamentos. “Tudo isso contribui para a limpeza da ferida e regeneração da pele”, explica o enfermeiro especialista em feridas da Membracel, Antônio Rangel.
O curativo Membracel possui as características consideradas ideais para um curativo: possibilidade de drenagem das secreções, não deixa resíduos, não causa alergia em contato com a pele e necessita de troca menos frequentes. Atua também na dor, sintoma bastante comum em casos de feridas e doenças de pele. “Por isolar os terminais nervosos, proporciona alívio imediato da dor, ”diz Rangel.
Com o uso do curativo, a dor diminui, o tamanho da lesão reduz e é possível começar a perceber a cicatrização pelo aparecimento do tecido de granulação, que é aquele tecido de cor rosada, liso e granular na superfície das feridas. Para “sarar”, a ferida passa por três processos: o inflamatório – que é quando se tem a sensação de dor, calor e rubor. Nessa fase acontece a migração de células de defesa para o leito da ferida que irão realizar a limpeza e controlar a contaminação da ferida. Depois, acontece a fase de granulação – no qual acontece a formação do tecido base para a cicatrização e, então, o processo de maturação, que irá reconstituir a pele.
membracel
O produto não precisa de receita médica e é de fácil utilização, podendo ser aplicado pelo próprio usuário. O tratamento com a Membracel possibilita uma melhor relação de custo/benefício, já que a membrana não precisa ser trocada com tanta frequência, diminuindo o custo final. Por ser translúcido, permite acompanhamento visual da do processo de cicatrização da ferida, evitando a troca desnecessária do curativo.

Vantagens no uso da membrana Membracel

  • Facilidade de aplicação e adaptação ao leito da lesão;
  • Aceleração do processo cicatricial;
  • Isenção de reações adversas;
  • Diminuição da dor;
  • Proteção da lesão;
  • Conforto ao paciente;
  • Facilidade de drenagem das secreções;
  • Visualização e controle evolutivo da lesão;
  • Manutenção da umidade fisiológica entre o leito da lesão e a membrana;
  • Ocorrência de trocas gasosas;
  • Menor custo do tratamento.
Sobre a Membracel. Criada em 2000, a Membracel é uma empresa referência em seu segmento. O produto – exclusivo da empresa – foi desenvolvido com base no resultado de pesquisas de biotecnologia. A membrana atua como um substituto temporário da pele para casos de falta da epiderme ou da derme, como em queimaduras e úlceras.

Amanhã é Dia D de vacinação contra a poliomielite

Amanhã (15/08) é o dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, destinada a imunizar crianças entre seis meses e cinco anos incompletos. O Ministério da Saúde pretende vacinar 12 milhões de crianças até o dia 31 de agosto. Neste sábado, mais de 100 mil pontos de vacinação estarão abertos. Além dos postos de saúde, postos volantes em escolas, praças e locais públicos serão usados na mobilização.

Durante a campanha, as crianças que nunca foram vacinadas contra a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, receberão a vacina injetável, enquanto as que  foram imunizadas, terão as gotinhas de reforço.

O Ministério da Saúde alerta que crianças com infecções agudas, com febre acima de 38ºC ou com hipersensibilidade a algum componente da vacina, devem ser avaliadas por um médico para saber se a imunização é indicada.

Desde 1990 o Brasil está livre da paralisia infantil, que é uma doença infectocontagiosa incurável.

Esta também será uma oportunidade de os pais levarem a caderneta de vacinação dos filhos para que os profissionais de saúde avaliem se a criança está com alguma vacina em atraso e apliquem as doses que faltam. Para a atualização da caderneta serão aplicadas vacinas contra a tuberculose, o rotavírus, sarampo e a rubéola; a coqueluche, caxumba, varicela e meningites; as hepatites, a febre amarela, difteria e o tétano, entre outras.

Para quem quiser acompanhar o calendário de forma mais dinâmica, o governo disponibiliza o aplicativo Vacinação em Dia. A ferramenta possibilita o acompanhamento do calendário de vacinação de crianças e adultos, a marcação da data da imunização e o agendamento da próxima. Nele estão disponíveis informações sobre todas as vacinas ofertadas pelo SUS e lembretes das campanhas. A ferramenta funciona em tablets e smartphones, que utilizem sistemas operacionais iOS e Android.

Mortes por hipertensão cresceram 13% entre 2001 e 2011

Estudo da Associação Americana do Coração (AHA, do nome em inglês ‘American Heart Association’), divulgado no 23º Congresso Brasileiro de Hipertensão, que ocorre até amanhã (15), no Rio de Janeiro, revela que, entre 2001 e 2011, a taxa de mortes por hipertensão subiu 13,2% em mais de 190 países, inclusive o Brasil. O congresso é promovido pela Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH).

A diretora da SBH, Frida Plavnik, disse hoje (14) à Agência Brasil que a atualização estatística  da AHA indica que a mortalidade por doença hipertensiva aumentou na avaliação global, apesar de ter havido no período pesquisado uma redução de 30,8% na mortalidade cardiovascular.

De acordo com a médica, o estudo destaca a necessidade de aumentar a prevenção à doença hipertensiva. “Controlar a pressão, fazer o diagnóstico precoce e orientar o paciente são cada vez mais importantes”. Segundo ele, o ranking de mortalidade por hipertensão é liderado pela Rússia, com 1.639 mortes entre 100 mil pessoas. Em seguida, vêm a Ucrânia, com 1.521 mortes, e a Romênia, com 969. O Brasil ocupa a sexta posição, com 552 mortes a cada 100 mil pessoas.

A revisão dos estudos no Brasil mostra que a hipertensão arterial atinge 30% da população adulta do país. “Ou seja, um em cada três brasileiros tem pressão alta”, afirmou a especialista. Frida disse que a taxa de controle da pressão alta no Brasil é muito baixa. Ela varia entre 10% e 20%. “Significa que as pessoas, apesar de teoricamente se tratando, estão sob maior risco de complicações, porque 80% não estão adequadas.”

Sobre o controle da doença, a prioridade da SBH é conscientizar um número próximo de 100% dos hipertensos. Nos Estados Unidos e Canadá, o controle já alcançou níveis em torno de 50% a 60%. “No Brasil, a gente tem de ter um grande trabalho de instrução e de educação do paciente sobre a importância de tratar e continuar tratando a doença”, acrescentou a médica.

Segundo levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), a hipertensão arterial responde por 9,4 milhões de mortes no mundo. A expectativa é que, em 2025, o mundo terá 1,6 bilhão de pacientes hipertensos.

Para Frida Plavnik, isso ocorrerá porque a doença é predominante nas pessoas acima dos 60 anos. “Se considerarmos que a população mundial está envelhecendo, haverá um incremento de hipertensos”.

O estudo da AHA informou, ainda, que a doença arterial coronariana é a principal causa de morte em todo o mundo, com 17,3 milhões por ano, com perspectiva de atingir mais de 23,6 milhões em 2030.

 

Agência Brasil

Conheça as novas regras sobre partos nos planos de saúde

O Brasil é o país com o maior número de cesáreas do mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no ano passado 55% dos partos realizados aqui foram feitos por meio do procedimento, enquanto em 2011 o percentual chegava a 53,7% e em 2010, a 52,3%. No entanto, o índice razoável da intervenção cirúrgica, de acordo com a instituição, seria de 15%.

Apesar de muitas vezes ser uma escolha pessoal da gestante, especialistas frisam que a cesariana se faz necessária apenas nos casos em que o parto normal apresentar riscos para a mãe ou o bebê. Pensando nisso, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabeleceu, na última segunda-feira (6), a Resolução Normativa 368, que visa estimular o parto normal e reduzir o “boom” de cesarianas – nas últimas duas décadas, o aumento de cesáreas foi registrado em todo o mundo. Com as novas regras, as operadoras de saúde serão obrigadas a divulgar, quando solicitado pela gestante, os percentuais de cirurgias cesáreas e de partos normais por estabelecimento de saúde e por médico.

“O parto é um dos momentos mais importantes na vida de uma mulher e de sua família e nós acreditamos que, ao fornecer informações qualificadas à mulher, ao informá-la sobre os riscos que podem ser gerados em decorrência de um procedimento cirúrgico desnecessário, ela estará mais segura na decisão em relação ao seu parto, escolhendo o melhor para sua saúde e a de seu bebê”, afirma o diretor-presidente da ANS, José Carlos de Souza Abrahão, completando que a medida é parte de uma estratégia maior da entidade para incentivar beneficiárias de planos de saúde, operadoras, hospitais e médicos a mudar o modelo de assistência ao parto e nascimento.

As informações poderão ser solicitadas por telefone, e-mail, correspondência ou pessoalmente e as operadoras de saúde terão no máximo 15 dias, a partir da data do pedido, para fornecer os dados por escrito. Caso não cumpram o prazo, deverão pagar uma multa de R$ 25 mil.

Acompanhamento

Além do estímulo ao parto normal, a Resolução Normativa 368 impõe que os planos de saúde forneçam às pacientes o Cartão da Gestante e a Carta de Informação à Gestante. Na primeira, qualquer profissional de saúde terá conhecimento do passo a passo da gestação, facilitando um melhor atendimento à mulher quando ela entrar em trabalho de parto. A segunda, por sua vez, trará orientações e informações para que a futura mãe tenha subsídios para tomar decisões e vivenciar o parto com tranquilidade.

As novas regras incluem ainda o Partograma, que vai registrar tudo o que acontece durante o trabalho de parto. O documento gráfico passa a ser considerado parte integrante do processo para pagamento da cesariana – é importante lembrar que o pagamento não pode ser negado pelos planos de saúde e, caso a gestante tenha alguma dificuldade neste sentido, deverá contatar a operadora. Nos casos em que houver justificativa clínica para a não utilização do documento, deverá ser apresentado um relatório médico detalhado.

Entidades comemoram medida

Em nota, a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) demonstrou apoio à Resolução Normativa 368. A instituição afirma que suas associadas “defendem que o parto normal é sempre a melhor alternativa”. O mesmo documento mostra que, em 2013, aproximadamente 48% dos partos normais no setor de saúde suplementar foram feitos por meio de planos das afiliadas à Federação.

Já o comunicado da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), que também apoia as novas regras, lembra que as medidas informativas a serem utilizadas por pacientes dos planos de saúde na hora de escolher o obstetra devem ser bem avaliadas, pois a divulgação das taxas individuais de partos realizados por um profissional pode remeter a uma visão distorcida do perfil de cada médico.

Por outro lado, a instituição faz um alerta para os casos de obstetras que têm um índice elevado de cesárea em determinadas operadoras. “Isso porque existem profissionais especializados em partos de alto risco que podem ter índices maiores de cesárea, mas isso não significa que esse médico não faz parto normal, porque a sua especialização o faz atender gestações de risco que acabam levando a um parto cirúrgico”.

Procurada pela Revista Apólice, a Seguros Unimed disse que a iniciativa é importante e calçada em um bom propósito. “Tivemos tempo para os ajustes operacionais. Os números mostram que há uma longa jornada para mudarmos um comportamento tão presente em nossa sociedade”, comentou o superintendente de Relacionamento Institucional da companhia, Fernando Poyares.

Por meio de um comunicado, a Amil informou que “cumpre todas as resoluções da ANS e que continuará a oferecer a estrutura e suporte necessários para garantir a melhor assistência às gestantes e bebês, independentemente do tipo de parto escolhido”.

Escolha deve ser respeitada

As novas regras não devem prejudicar a gestante que escolher a cesárea. No entanto, em caso de preferência pelo procedimento cirúrgico, a paciente deverá obrigatoriamente assinar um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para que a operadora cubra a cirurgia.

Nos casos em que a cirurgia for eletiva, o relatório médico com a negativa do Partograma deverá vir acompanhado deste termo de consentimento assinado pela beneficiária, que substituirá o documento no processo de pagamento do procedimento.

Fonte: Revista Apólice

Esteatose hepática é cada vez mais comum em crianças obesas

A obesidade infantil é um problema em todo o mundo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), uma em cada três crianças com idade entre 05 e 09 anos está acima do peso no Brasil, grande parte delas atingindo níveis de obesidade.

Os números são alarmantes, principalmente se considerarmos que 50% das crianças obesas aos 10 anos e 100% das crianças obesas aos 12 anos serão adultos obesos e estarão mais vulneráveis a doenças cardiovasculares, diabetes, alterações articulares, câncer, entre outros males, o que causa grande impacto socioeconômico.

O excesso de peso na infância pode acarretar diversos problemas de saúde, entre eles a esteatose hepática de origem não-alcoólica (EHNA), uma doença crônica que se dá devido ao acumulo de gorduras nas células do fígado.

De acordo com o hepatologista do Hospital São Vicente FUNEF, Marcial Carlos Ribeiro, a cada quatro crianças obesas, uma sofre de esteatose hepática, chamada popularmente como “gordura no fígado”.

A doença dificilmente é diagnosticada precocemente, já que não há sintomas clínicos nas crianças. Então, mesmo com o fígado inflamado, o paciente não sente dor. A única forma de diagnosticá-la é mantendo um exame preventivo constante, como a elastografia hepática.

“Este exame não utiliza medicamentos, não é traumático, não é necessária a biópsia e o resultado é imediato. Nos casos que exigirem complementação diagnóstica, a elastografia poderá ser concluída por um exame chamado Fibro-teste, que é uma somatória de exames com análise computadorizada e que em 70% dos casos poderá confirmar o diagnóstico da elastografia”, explica o hepatologista.

A elastrografia mede o grau de endurecimento do fígado que é progressivo na maioria das doenças. Vai do nível I (menos grave) ao IV (mais grave).

Ao identificar a quantidade de gordura acumulada no fígado, é fundamental que se inicie um tratamento de prevenção que consiste em reeducação alimentar e exercícios físicos.

“O importante é que a partir do diagnóstico a família possa agir com mais firmeza com a criança, que terá que mudar toda a sua rotina de vida, começando pelos hábitos alimentares”, complementa Marcial Carlos Ribeiro.

Saiba como se livrar do torcicolo

Uma noite mal dormida ou passar horas em uma posição ruim contribui para o surgimento de uma dor intensa na região do pescoço conhecida como torcicolo. A dor pode limitar o movimento do pescoço e causar tensão na região cervical que pode se espalhar para a musculatura dorsal.

O problema não possui uma causa totalmente esclarecida. Mas, pode estar associada a um traumatismo na coluna cervical ou nos músculos do pescoço. Ou também pode ser consequência de infecções na área da cabeça ou no pescoço como tumores, infecções no sistema nervoso, hipertiroidismo.

O torcicolo pode acometer qualquer pessoa de faixas etárias diferentes. Geralmente, ele é mais comum em pessoas entre 30 e 60 anos e que apresentam um histórico familiar.

Os sintomas do torcicolo não são difíceis de serem identificados, podemos destacar: dor de cabeça, dor no pescoço, um ombro mais alto que o outro e rigidez dos músculos do pescoço. No caso congênito, o indivíduo pode sentir inchaço dos músculos do pescoço.

Torcicolo tem tratamento?

“Para aliviar a dor e recuperar a amplitude dos movimentos, a primeira medida pode ser medicamentosa. Mas, se você sente dores na região do pescoço com frequência é recomendado buscar tratamentos alternativos.”, explica Regina Santos, massoterapeuta do Fit Body Pilates Spa & Estética.

Entre os métodos indicados para se livrar do problema é a acupuntura. A prática terapêutica é chinesa e criada há mais de dois milênios. O procedimento consiste na estimulação de locais anatômicos sobre os pontos de acupuntura por meio de agulhas.

Mas, dependendo do caso o profissional pode utilizar a técnica de acupressão que é feita com os dedos. Após um diagnóstico minucioso, o acupunturista irá aplicar as agulhas. As agulhas permanecem no local entre 30 a 40 minutos e após a sessão o paciente já pode sentir o alívio e o músculo mais relaxado.

Como prevenir o torcicolo?

Confira algumas dicas para prevenir o torcicolo:

  • Mantenha uma boa postura no dia a dia;
  • Se você trabalha com computador procure manter a tela na altura dos olhos evitando uma tensão na região cervical;
  • Evite dormir de bruços ou no sofá;
  • Ao dormir tente manter a cabeça alinhada com a coluna, usando travesseiros adequados;
  • Se perceber o desconforto em uma posição corporal, mexa-se.

Falta de fibras na alimentação e problemas de saúde

As pessoas podem saber que introduzir fibras na alimentação é fundamental para garantir o bom funcionamento do organismo, mas nem todas sabem exatamente o que pode acontecer se deixarmos as fibras de lado. A ingestão insuficiente de fibras na alimentação pode causar diversos problemas de saúde.

“Não ingerir fibras na quantidade suficiente pode causar mais complicações do que se imagina. Embora não se possa comprovar a relação direta entre determinada doença e a alimentação inadequada, está claro que negligenciar a ingestão de fibras traz prejuízos”, explica Melina Aniquini, nutricionista e consultora de Livina Fibras, da MIP Brasil Farma, (http://mipbrasilfarma.com.br/livina).

Conheça 4 problemas que podem ter relação com a insuficiência de fibras no cardápio do dia a dia:

  1. Fome constante: Sentir fome fora de hora durante o dia, mesmo pouco tempo após as refeições, pode ter relação com a escassez de alimentos com fibras. Isso porque a fome constante costuma afetar aqueles que sofrem de hipoglicemia, ou seja, de baixo nível de açúcar no sangue. As fibras prolongam a liberação da glicose no organismo e promovem a sensação de saciedade. Ou seja, se não quiser ficar sempre faminto, aposte nas fibras!
  2. Hipoglicemia: Optar por carboidratos simples, como o pão comum e as massas com farinha de trigo refinada, faz com que a glicose seja absorvida muito rapidamente pelo organismo, levando à maior produção de insulina e provocando um aumento desse hormônio no organismo. Em seguida, pode ocorrer uma ausência repentina de açúcar no sangue (hipoglicemia), provocando sintomas como tontura e fraqueza. Por isso, recomenda-se dar preferência aos carboidratos integrais, que são ricos em fibras e retardam a absorção da glicose. Dessa forma, o açúcar é liberado no sangue aos poucos, sem causar mal-estar.
  3. Colesterol alto: Existem dois tipos de colesterol, o HDL (densidade alta, também chamado de bom colesterol) e o LDL (densidade baixa, também chamado de colesterol ruim). O LDL obstrui veias e artérias, podendo desencadear doenças cardiovasculares. As fibras solúveis ajudam no controle do colesterol ruim, pois impedem que as moléculas de gordura no intestino sejam absorvidas pelo organismo. Embora não estejam diretamente ligadas à redução dos níveis sanguíneos de colesterol, as fibras auxiliam no combate, já que aumentam a saciedade e, consequentemente, levam a uma menor ingestão de alimentos.
  4. Obesidade: Por aumentarem a sensação de saciedade, regularem o funcionamento do intestino e também a absorção da glicose pelo corpo, o consumo de fibras acaba também por ser um aliado no combate à obesidade. Sendo assim, para manter a forma e a saúde sempre em dia, os especialistas aconselham ingerir diariamente fibras, em todas as refeições do dia.

 

Para evitar problemas como esses, além de seguir os cuidados acima, um suplemento nutricional como Livina Fibras pode ser útil a todos quem têm dificuldade de manter uma alimentação com fibras. Trata-se de uma maneira prática de adicionar fibras à alimentação diária. Duas gomas de gelatina Livina Fibras ao dia são suficientes para ajudar o organismo a funcionar bem. Além disso, não é necessário dissolver as gomas em água nem guardá-las na geladeira, podendo ser consumidas a qualquer hora do dia e em qualquer lugar. Disponível em dois sabores (tangerina e ameixa), cada porção tem 4,3 gramas de fibras, o que representa 70% da necessidade diária.

Sobre MIP Brasil Farma – A MIP Brasil Farma é a representante brasileira do segmento de Medicamentos Isentos de Prescrição Médica. Com escritório administrativo localizado na cidade de São Paulo (SP), a empresa é focada na comercialização de um portfólio exclusivo no Brasil de marcas e linhas de produtos – especialmente dermocosméticos e nutracêuticos – que têm a inovação, segurança e eficácia comprovadas como principais características.

Avaliação clínica antes de iniciar prática de atividade física

Entrar em forma e manter a saúde em dia é um desejo de grande parte dos brasileiros.E uma das maneiras de conseguir um resultado satisfatório e prazeroso é a corrida de rua. Mas antes de dar o pontapé inicial na atividade física que conta com mais de 6 milhões de adeptos no Brasil, é necessário passar por uma Avaliação Clínica de Pré-Participação (APP).

“Nessa avaliação, o médico vai solicitar exames de acordo com a idade para verificar a possibilidade de presença de doenças e com a intensidade da atividade, variando desde lazer, passando por amador até profissional”, explica Luiz Augusto Lavalle, médico cardiologista do Hospital São Vicente – FUNEF, de Curitiba (PR).

Nos casos mais simples, além da avaliação clínica inicial, são realizados eletrocardiograma, hemograma completo, glicemia de jejum, ureia e creatinina, lipidograma completo e ácido úrico. “Hepatograma (TGO, TGP, gama-GT, bilirrubinas, TAP/INR), exame de urina e exame parasitológico de fezes completam a lista”, detalha o especialista.

Já os exames funcionais, como o teste de esforço, ecocardiograma de estresse e cintilografia, são indicados para atletas ou pessoas com mais de 60 anos de idade.

“Fora desse quadro, a necessidade de exames funcionais vai depender dos resultados da Avaliação Clínica Pré-Participação. Se houver alguma normalidade na APP, pode resultar em outros tipos de exames cardiológicos e não cardiológicos”, lembra Lavalle.

Atestado liberatório

O cardiologista do Hospital São Vicente – FUNEF salienta que ao final da avaliação o médico terá de fornecer ao paciente um atestado de aptidão ou liberatório para as corridas. Neste atestado, deverá constar o tipo de esporte para o qual a pessoa está apta de acordo com uma classificação específica que leva em conta a estática e a dinâmica da modalidade. “Não há nada que substitua a avaliação clínica inicial”, completa o médico.

Exames obrigatórios na Avaliação Clínica de Pré-Participação (APP)

  • Eletrocardiograma;
  • Hemograma completo;
  • Glicemia de jejum, ureia e creatinina;
  • Lipidograma completo;
  • Ácido úrico;
  • Hepatograma (TGO, TGP, gama-GT, bilirrubinas, TAP/INR);
  • Exame de urina;
  • Exame parasitológico de fezes.

Exames obrigatórios para pessoas acima de 60 anos ou atletas:

  • Teste de esforço;
  • Ecocardiograma de estresse;
  • Cintilografia.

Luiz Augusto Lavalle, cardiologista do Hospital São Vicente- FUNEF.
oDebate.com.br

Seis medidas fáceis de adotar para cuidar do coração

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença cardiovascular (DCV) é a principal causa de morte no mundo, com 30% dos óbitos globais. No Brasil, 350 mil pessoas morrem por DCV, por ano. Destas, 1/3 são por infarto e o colesterol alto é o principal fator de risco.

Estes dados assustadores comprovam a importância de cuidar do coração que, com a correria do dia-a-dia, acaba sendo deixada de lado junto a hábitos simples e fáceis de adotar, mas que podem fazer toda a diferença para a saúde cardiovascular.

Elizabeth Vargas, nutricionista da Unilever, recomenda seis super dicas para quem quer contribuir com a saúde do coração, podendo prevenir doenças cardiovasculares como AVC, colesterol alto, infarto, entre outras. Anote e coloque em prática agora mesmo!

Eu me mexo muito!

Se você caminhar 30 minutos todos os dias já será o suficiente para trazer benefícios. Outra dica é, se você trabalha sentado por muito tempo, procure ficar por 5 minutos em pé, a cada hora. O sedentarismo faz com que menos calorias sejam gastas, favorecendo a obesidade em todas as faixas etárias.

Alguns dos benefícios da atividade física incluem: redução do colesterol ruim e aumento do bom, ajuda na manutenção do peso corporal, fortalece a musculatura, mantém os níveis corretos de glicose no sangue, promove liberação de substâncias que proporcionam prazer e ajuda no controle da ansiedade.

Meu peso está saudável?

O excesso de peso pode provocar aumento da pressão arterial e dos níveis de glicose no sangue. Uma maneira de acompanhar se seu peso esta adequado é realizar o cálculo do IMC (Índice de massa corpórea) que indica se seu peso esta proporcional a sua altura. Mas, é importante sempre procurar um acompanhamento médico e de nutricionista para saber a melhor forma de se manter no peso ideal.

Não fumo, obrigada!

Fumar aumenta o risco de desenvolver infarto e AVC. E não é só o coração que fica prejudicado: os pulmões, a bexiga e o pâncreas também podem ser afetados.Entre as mais de 4.700 substâncias nocivas presentes no cigarro, a nicotina é a responsável pela dependência, que é maior do que a de drogas como a cocaína e a heroína.

Faço meus exames de rotina

Faça exames de rotina ao menos uma vez ao ano, mesmo sendo uma pessoa saudável, para saber os valores da sua pressão arterial, níveis de colesterol e glicose. Para tal, procure um clínico geral, endocrinologista ou um especialista de sua preferência, que possa avaliar suas condições físicas e psicológicas, além do seu estilo de vida, e indicar os exames mais adequados para o seu caso.

Quando as doenças são tratadas de forma preventiva, as chances de que o problema possa ser controlado, ou até mesmo evitado, são grandes. Proteja-se!

Xô estresse

Quando muito freqüente ou muito intenso, o estresse pode evoluir e causar alterações no organismo, facilitando o aparecimento ou agravamento de doenças. Portanto, para o estresse não atrapalhar sua qualidade de vida, lembre-se de desenvolver e aplicar técnicas como meditação, ioga, exercícios físicos, respiração, planejar e realmente tirar suas férias, entre outras atividades que te dão prazer.

Você é o que você come!

Uma alimentação equilibrada, rica em fibras e com pouca gordura, sal e açúcar beneficia o coração e evita o acúmulo de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos, elevação da pressão arterial e aumento da glicose no sangue. Opte sempre por cremes vegetais ricos em gorduras “boas” como as mono e poliinsaturadas.

Essas seis medidas super fáceis de adotar podem ajudar a fortalecer seu coração e evitar doenças cardiovasculares.

ODebate.com.br

5 dicas para melhorar a memória

Importante para todos os aspectos da vida, a memória às vezes falha ou então não é capaz de guardar detalhes, mesmo que a pessoa queira ou precise. Porém, vários estudos têm mostrado que para reverter esse quadro e dar mais tempo de vida útil à memória, é indispensável desafiá-la sempre mais, para que ela possa estar trabalhando ativamente.

Confira algumas dicas trabalhar seu cérebro e melhorar a memória.

  • Faça um curso de memorização. Em um curso de memorização, os estudantes aprendem técnicas exclusivas e comprovadas para tornar a absorção de conteúdos imediata e melhorar a memória. É ideal para todas as idades, e muito recomendado para quem precisa memorizar muitas informações em pouco tempo, pois vai prestar um concurso, por exemplo.
  • Mude a rotina. Trocar de caminho para ir ao trabalho, degustar novos pratos e mudar pequenos detalhes da rotina fazem o cérebro se desafiar constantemente, o que ajuda a processar melhor as informações novas e melhorar a memória.
  • Associe pessoas. Um dos grandes problemas enfrentados por quem tem a memória ruim é esquecer o nome das pessoas. Para evitar constrangimentos, a dica é associar os nomes e fisionomias a outros aspectos. Se o João for associado a um ator de mesmo nome, por exemplo, ao rever o conhecido João, a memória automaticamente lembrará do famoso e você se recordará do nome da pessoa.
  • Converse consigo. Esquecer se realizou alguma tarefa ou não, como tomar remédios, também é bastante comum e pode ser resolvido com uma simples conversa consigo mesmo. Depois de terminar uma tarefa, o ideal é falar para si “fiz o arroz” ou “tomei o comprimido A”, dessa forma, o cérebro terá duas maneiras de memorizar: pela tarefa e pela fala.
  • Soletre palavras. Uma maneira bastante eficaz e divertida de movimentar o cérebro e melhorar a memória é pensar em várias palavras e soletrá-las normalmente e depois de trás para frente, sem ter contato visual. Isso irá testar a memória sobre a grafia das palavras e irá ajudar em outros momentos do dia a dia.